18 de março de 2009

apontamento...

ando com a sensação de que para algumas pessoas, não passo de um mero acessório decorativo, ao qual se retorna de longe a longe, para limpar o pó e passar a mão pelas costas...
um dia destes canso-me de estar sentado no anexo, abro o postigo e vou ver o que se passa na rua... estou cada vez mais próximo da maçaneta da porta, valerá a pena esperar que alguém me venha dar uma explicação? existem poucas certezas no anexo e as respostas não estão definitivamente ao meu alcance, pelo que me questiono durante quanto tempo mais aqui estarei, assim, à mercê dos elementos internos de terceiros.
já estive mais longe da porta é certo, mas reconheço agora que já estou com a mão na maçaneta, falta apenas saber se a abro e saio, ou fico novamente aqui, a olhar para a porta fechada a ouvir o barulho das luzes (por tempo indefinido), até a ideia de sair me voltar a atormentar e dar comigo novamente a caminhar para esta. cada vez mais, sinto uma necessidade inexplicável, de quanto mais não seja de arejar este anexo.

será que existem coisas interessantes lá fora? como será o barulho da luz do sol?

2 comentários:

MD disse...

Se te limpam as costas já não é mau de todo... :)

Um abraço, re-re-reLAX! É FDS!

A efervescência da mente. disse...

Lembra-te da história da alegoria da caverna de Platão.
E também já não vivemos na "idade das trevas". :)
Como dizia a música: «Make up your mind». ;)