21 de dezembro de 2009

fully connected

mas porque é que ainda não me tinha lembrado de partilhar micro audio waves, com aqueles que me vão visitando? não passa de hoje portanto!




micro audio waves > myspace

17 de dezembro de 2009

hoje sinto-me menos sozinho

como consequência da conversa de ontem com o fiel companheiro de rebelião (tu sabes quem és), senti-me menos sozinho neste mundo de palhaçada (ver twitter de hoje); curioso e mais acompanhado fiquei ao ler a crónica no jornal de notícias do mário crespo, de nome o palhaço. é reconfortante saber que alguém com a sua visibilidade, não tem medo de chamar os bois pelo nome, perdão, chamar os palhaços pelo nome.
não necessito de me alongar mais, aqui fica a transcrição na íntegra da dita crónica de mário crespo. o meu obrigado pela esperança que me deste hoje, de que um dia seremos ouvidos...

O Palhaço
Mário Crespo - in JN 14.12.09

"O palhaço compra empresas de alta tecnologia em Puerto Rico por milhões, vende-as em Marrocos por uma caixa de robalos e fica com o troco. E diz que não fez nada. O palhaço compra acções não cotadas e num ano consegue que rendam 147,5 por cento. E acha bem.

O palhaço escuta as conversas dos outros e diz que está a ser escutado. O palhaço é um mentiroso. O palhaço quer sempre maiorias. Absolutas. O palhaço é absoluto. O palhaço é quem nos faz abster. Ou votar em branco. Ou escrever no boletim de voto que não gostamos de palhaços. O palhaço coloca notícias nos jornais. O palhaço torna-nos descrentes. Um palhaço é igual a outro palhaço. E a outro. E são iguais entre si. O palhaço mete medo. Porque está em todo o lado. E ataca sempre que pode. E ataca sempre que o mandam. Sempre às escondidas. Seja a dar pontapés nas costas de agricultores de milho transgénico seja a desviar as atenções para os ruídos de fundo. Seja a instaurar processos. Seja a arquivar processos. Porque o palhaço é só ruído de fundo. Pagam-lhe para ser isso com fundos públicos. E ele vende-se por isso. Por qualquer preço. O palhaço é cobarde. É um cobarde impiedoso. É sempre desalmado quando espuma ofensas ou quando tapa a cara e ataca agricultores. Depois diz que não fez nada. Ou pede desculpa. O palhaço não tem vergonha. O palhaço está em comissões que tiram conclusões. Depois diz que não concluiu. E esconde-se atrás dos outros vociferando insultos. O palhaço porta-se como um labrego no Parlamento, como um boçal nos conselhos de administração e é grosseiro nas entrevistas. O palhaço está nas escolas a ensinar palhaçadas. E nos tribunais. Também. O palhaço não tem género. Por isso, para ele, o género não conta. Tem o género que o mandam ter. Ou que lhe convém. Por isso pode casar com qualquer género. E fingir que tem género. Ou que não o tem. O palhaço faz mal orçamentos. E depois rectifica-os. E diz que não dá dinheiro para desvarios. E depois dá. Porque o mandaram dar. E o palhaço cumpre. E o palhaço nacionaliza bancos e fica com o dinheiro dos depositantes. Mas deixa depositantes na rua. Sem dinheiro. A fazerem figura de palhaços pobres. O palhaço rouba. Dinheiro público. E quando se vê que roubou, quer que se diga que não roubou. Quer que se finja que não se viu nada.

Depois diz que quem viu o insulta. Porque viu o que não devia ver.

O palhaço é ruído de fundo que há-de acabar como todo o mal. Mas antes ainda vai viabilizar orçamentos e centros comerciais em cima de reservas da natureza, ocupar bancos e construir comboios que ninguém quer. Vai destruir estádios que construiu e que afinal ninguém queria. E vai fazer muito barulho com as suas pandeiretas digitais saracoteando-se em palhaçadas por comissões parlamentares, comarcas, ordens, jornais, gabinetes e presidências, conselhos e igrejas, escolas e asilos, roubando e violando porque acha que o pode fazer. Porque acha que é regimental e normal agredir violar e roubar.

E com isto o palhaço tem vindo a crescer e a ocupar espaço e a perder cada vez mais vergonha. O palhaço é inimputável. Porque não lhe tem acontecido nada desde que conseguiu uma passagem administrativa ou aprendeu o inglês dos técnicos e se tornou político. Este é o país do palhaço. Nós é que estamos a mais. E continuaremos a mais enquanto o deixarmos cá estar. A escolha é simples.

Ou nós, ou o palhaço."

15 de dezembro de 2009

o som do momento

este post pode ser dividido em duas partes distintas. por um lado the xx, uma das mais recentes coqueluches do new wave londrino, que no seu myspace classificam as suas influências de um modo bem transversal, ou devo dizer eclético? aqui fica a transcrição deles próprios: Aaliyah to CocoRosie, Rihanna to The Cure, Missy Elliott to Chromatics, The Kills to Ginuwine, Pixies to Mariah Carey and Justin Timberlake to Tracy + the plastic
do outro lado, mas sem dúvida à custa do mesmo momento, uma das ruivas mais originais de 2009 florence and the machine, trazem-nos aqui este you've got the love, que da versão da menina, rapidamente degenerou em variados remixes, com este dos xx a ter lugar de destaque.
contrariando a aparente ordem das coisas, primeiro a versão dos xx (o verdadeiro som do momento) e em seguida a versão da menina ao vivo a mostrar que para existir um bom remix, tem de existir uma forte base, precisamente na base da coisa! porque me apetece hoje...




esta amostra de luz, teve como seria de esperar pelo post anterior, o alto patrocínio dos bons rapazes da 3!


mas não consigo mesmo parar de ouvir os the xx, e assim sendo, cá vai mais um: cryztalised

obrigado!

se não fossem os bons rapazes a aquecerem-me a alma neste dia de treta, já tinha cortado os pulsos...
viva o podcast!

5 de dezembro de 2009

30 de novembro de 2009

next stop: MUSE

com uma chegada à queima roupa, ontem lá estivemos a assistir ao que será muito provavelmente um dos melhores concertos que assisti até à data! e atenção que já vi uma data deles... naturalmente uma opinião de quem ouve estes meninos à dez anos e só agora teve oportunidade de os ver actuar ao vivo. uma performance intensa, enérgica, certeira e visualmente impressionante, que nos deixou exauridos de tanto saltar e gritar, acompanhando assim estes três magníficos! sim, são apenas três em palco (pontualmente ajudados por um teclista sem direito a podium tecnológico).
a máquina fotográfica ficou em casa, nada como confiar nos lisboetas e na sua rapidez em colocar os vídeos no Youtube. aqui ficam assim algumas perspectivas da epifania musical de ontem à noite.
uma referência ainda, para o facto de a cerveja oficial ser super bock, perfeito portanto...

eis o início à matador, ao som the uprising, 1º single do mais recente albúm the resistance, que dá nome a esta tour.



resistence...



momento feeling good, embalados por... nina simone, because it's a new day, it's a new life!



este starlight não poderia faltar, porque you electrify my life muse! numa perspectiva que mostra bem a entrega do público presente no atlântico ontem.



para acabar (podia ter durado mais duas horas e ninguém arredaria pé dali de certeza), toda a pujança do knights of cydonia!




regresso em comboio especial, com destino a porto campanhã, com paragem em múze...

eis ainda o alinhamento do que foi tocado nesta noite:
Uprising, Resistance, New Born, Map of the Problematique, Supermassive Black Hole, MK Ultra, Hysteria, United States of Eurasia, Feeling Good, Guiding Light, Undisclosed Desires, Starlight, Plug In Baby, Time Is Running Out, Unnatural Selection, Exogenesis: Symphony Pt 1: Overture, Stockholm Syndrome e Knights of Cydonia

alguns dias depois....
os muse estão confirmados como cabeça de cartaz para dia 27 de maio de 2010, no rock in rio (em lx). mas para este tipo de situação já me começa a fazer muita comichão... rock in rio? nããããããã! mas se alguém estiver interessado, já sabe onde os encontrar para mais uma epifania musical...

24 de novembro de 2009

hercules + kap bambino - Clubbing CdM

o próximo Clubbing na Casa da Música (4 dez), traz à cidade do porto dois projectos bem distintos. por um lado toda a serenidade e sensualidade de Hercules and Love Affair (vai ser uma estreia para mim), na outra face da moeda, o duo dinâmico e hiperactivo Kap Bambino (com quem me cruzei numa noite muito chuvosa na edição deste ano do festival de paredes de coura)e que será um prazer rever e dançar.
os bilhetes custam uns escandalosos 18€ cada, mas certamente valerá bem a pena.





18 de novembro de 2009

over the hills - james yuill

há coisas fantásticas de facto... esta tem sido daquelas músicas que ouço na bíblia musical dos bons rapazes da 3 e ainda não tinha percebido quem cantava (porque o miguel quintão e o álvaro costa nesse dia, estavam a falar rápido demais, ou estaríamos nós lentos de mais?). certo é que aqui está ela, vou começar já a procurar os remixes da mesma, porque quase que aposto que devem andar por aí!
é verdade miguel, o que é que eu não sou capaz de descobrir? um tema verdadeiramente delicioso para aqueles momentos zen de regresso a casa do trabalho!




james yuill myspace

13 de novembro de 2009

gammer de 3ª geração at last!!

e aqui está o que me vai prender em casa neste fim de semana... dos jogos mais geniais que vi até hoje!

26 de outubro de 2009

bad for my mind

não há muito a acrescentar, a este daniel de bat for lashes está em perfeita sintonia com a nuvem depressiva que paira sobre a minha cabeça nas últimas semanas... não percebo como ainda não me consegui livrar disto. começo a ficar cansado e irritado por me deixar arrastar nesta má onda, escura e cada vez mais entranhada.
consegui fazer o corpo abandonar a cama hoje, é um início, mas a mente tem pregado partidas, que me fazem esquecer das coisas mais simples e bonitas.
pelo menos hoje está sol, como será se voltar a chover?





bat for lashes - myspace

22 de outubro de 2009

heads will roll

sem grandes tretas, finalmente alguma coisa de positivo neste dia de merda. (é verdade, também apreciei a minha meia hora ao sol hoje à tarde). mas agora o que mais me apetece é mesmo ouvir música, e vai daí aqui fica um remix de john roman de heads will roll, dos yeah yeah yeahs. para ouvir bem alto e de preferência com as colunas no máximo!


19 de outubro de 2009

capri c'est fini

perfeito para ajudar a cavar a depressão de uma semana de trabalho que se inicia, e que nunca devia ter começado...

hervé vilard, com capri cést fini! porque o meu sonho continua ser emigrar para a frança e arranjar um trabalho na construção civil. era muito mais fácil a minha vida se assim fosse...

15 de outubro de 2009

paraíso filmes

belchior baptista e túlio gonzaga... a mais peculiar produtora de filmes do mundo! a hollywood de portugal, na trafaria!





para aqueles que andam a perder os episódios na rtp2 (de segunda a sexta, pelas 00:30), podem sempre ver pedaços dos episódios no youtube! um abraço para essa grande bicha carlos ruth, esse grande macho!!

9 de outubro de 2009

yes... he did!

o obama foi distinguido com o prémio nobel da paz! estou de acordo com a decisão e espero que pelo menos durante o seu mandato os e.u.a. não "inventem" mais guerras e que resolvam definitivamente os assuntos como o iraque, afeganistão, guantânamo,etc... também fico feliz por saber que ele está a fazer do combate às alterações climáticas uma prioridade. hoje o mundo acordou para uma nova realidade de esperança...

"O comité deu muita importância à visão e aos esforços de Obama com vista a um mundo sem armas nucleares", declarou o presidente do comité, Thorbjoern Jagland. "Só muito raramente uma pessoa conseguiu como Obama capturar a atenção do mundo e dar às pessoas esperança para um futuro melhor", afirmou ainda o comité, avaliando que “a diplomacia [de Obama] é fundada no conceito de que aqueles que lideram o mundo têm de o fazer tendo por base valores e atitudes que são partilhados pela maioria da população mundial”.- in público 09.10.09

6 de outubro de 2009

keine melodien

sem perder muito tempo? importa reter apenas três aspectos sobre a importância desta música para mim. primeiro, os jean team editaram em 2001/02 este keine melodien, que tanto rodou no falecido seat ibiza. no myspace dos berlinenses, encontram uma remistura deste tema, mas deste ano...percebem? ainda continua a facturar! segundo, os 2 many dj's remixaram este tema até à exaustão (video 2), mas até na altura, a ainda tenra peaches, se entreteve a fazer uma versão desta música (mais tarde editada na colectânea trash club - london), e onde se vê os primórdios da diva a ensaiar lá em casa (video 3); terceiro mas não menos importante, agradeço ainda o facto de enquanto pesquisava na net à alguns anos atrás, em busca de keine melodien dos jean team, por engano, ter descoberto ainda a volker rosin .
video 1


video 2


video 3

5 de outubro de 2009

fui-me embora...

feriado nacional, 5 de Outubro. estava em casa, comecei a ouvir música! não, não era o meu vizinho cantor pimba, era um mini-comício do psd à minha porta! o vizinho pimba, é da ditadura reinante, começou a mandar uns bitaites, durante o discurso da oposição laranja (o esperado, até porque trabalha para a dita autarquia...); 10 minutos depois, duas carrinhas do ps forradas com cartazes do senhor do feudo local, e com música ainda mais alta, começaram a passear rua acima rua abaixo (existe apenas uma rua de acesso a minha casa...). desisti, peguei nas minhas merdas e fui-me embora.

28 de setembro de 2009

it kicks like a sleep twitch!

recordo-me com muita frequência do concerto que os editors deram em 2008, no festival de paredes de coura, pois a energia que conseguiram gerar, foi absolutamente contagiante. agora com este novo álbum in this light and on this evening, de que papillon é o single de estreia, asseguram mais uma entrega como só eles conseguem fazer e felizmente já nos habituaram. para ouvir com o volume no máximo e com uma sugestão visual, que promete ritmar as minhas corridas junto ao mar...
a reter o concerto agendado para lisboa, no campo pequeno, para dia 10 de dezembro, apesar de estar aqui a olhar mais para a data do concerto em barcelona, no dia 8 do mesmo mês. é que o concerto catalão vai ter lugar no razzmatazz (a discoteca que fechei em abril passado...)



twitch > convulsao, estremecimento, tique, crispacao, puxo; puxar, crispar, contrair, repuxar

19 de setembro de 2009

"vou para casa..."

estava eu hoje a saborear uns resquícios de sol na esplanada, junto ao mar esta tarde, quando eis que de repente a minha paz foi perturbada pela campanha eleitoral. por entre as páginas do livro que lia, começo a ver uma pequena multidão rodeada por jornalistas a vir na direcção do meu refúgio... lá se foi o sossego, era o PP com o paulo portas, em plena campanha eleitoral! felizmente, o nosso antigo ministro da defesa, decidiu entrar para beber uma água no café ao lado (conforme ouvi um dos seus assessores a indicar-lhe). como uma desgraça nunca vem só, quase de imediato uma militante do PP tenta oferecer-me uma bandeira do mesmo (recusei claro!), mas esqueceu-se de me oferecer o programa da respectiva candidatura que segurava na outra mão(que teria aceite, até porque sempre seria leitura), talvez por ter visto que existia uma super bock na minha mesa, meia bebida, e deve ter achado que só poderia ser de esquerda... mas eis que o meu momento zen do dia continua a ser perturbado, com a chegada do MMS! o candidato pelo distrito de aveiro, parou o carro na marginal, ligou o P.A. e começou um discurso empolgado, muito ao género de obama, o que surpreendia os que por ali passeavam... quando veio cumprimentar o povo, parou na minha mesa, parei de ler e amavelmente cumprimentei-o. não resisti a dar-lhe os parabéns em jeito de provocação é certo, pela postura one man show, e educadamente desejei-lhe uma boa campanha eleitoral, dando a entender que já tinha recebido a mensagem e que queria continuar a ler tranquilamente o meu livro, e assim foi. pelo menos durante dois minutos, pois de imediato comecei a ouvir em grande volume a música para o espectáculo piro-musical da festa aqui da terra, que é acontece hoje... mas este pessoal não sabe que existe uma lei do ruído... estava eu já disposto a abstrair-me dos ensaios para a festa de hoje e voltar à leitura e eis que me aparece a juventude popular aqui da terra a impingir mais um panfletozito (desta vez uma fotocópia a4 a preto e branco, dobrada a meio). recusei o panfleto, mas eis que um dos jovens pp (o único que não trazia uma camisola pelas costas) e que conheço vagamente e de raspão, me forçou a pegar naquilo...
são perturbações a mais para quem só queria passar uma tarde a ler um livro tranquilamente junto ao mar! como resultado, desisti e vim para casa...
o que estava eu a ler? admirável mundo novo, da autoria de aldous huxley... o que não deixa de ser curioso, não?

11 de setembro de 2009

a curtir os cinquenta anos...

ontem quando cheguei a casa, no meio do meu zapping nocturno, parei na mtv porque um vídeo me chamou a atenção. era nada mais nada menos, que o mais recente vídeo de madonna - celebration, que na versão videoclip nos mostra uma remistura de benny benassi (lembram-se do hit satisfacion de alguns anos atrás?). ora como se não fosse já habitual, madonna mostra que os 51 anos não lhe pesam, pois apresenta a figura de uma moça de 20 anos, num vídeo onde a edição de imagem é estrela. aproveitando ao máximo a batida electro, os frames são meticulosamente montados e as imagens sincronizadas, para nos levarem a crer que a designada raínha da pop, o continua a ser efectivamente e que continua a mexer-se como poucas o fazem! a música resulta, sob o meu ponto de vista, muito por culpa do vídeo (com dançarinos muito ao género do já clássico hung up) e pelo estilo jacqueline onassis meets madonna, em mais uma prova do seu lado camaleónico. como conclusão, esta senhora parece estar decidida a continuar por mais uns anos, a fazer aquilo que bem lhe apetece na música pop, e que me lembre poucas foram as vezes que falhou...
como marketeer que é, madonna apresenta este novo single em simultâneo com variados remixes, escolhendo estratégicamente dj's e produtores dos mais diferentes géneros da música de dança, o que garante o necessário airplay nos dancefloors, para que continue a ser o ícone da música pop dos últimos 25 anos. quanto a mim, acho que continuo a preferir esta mistura, mas como disse, creio que a culpa é do vídeo...





mais remixes...

oakenfold version lodrimix version dj pierre parade fo kings version ober club mix version
mas não resisto a mostrar mais um vídeo, porque isto de falar da madonna dá pano para mangas. assim sendo aqui fica um vídeo de uma actuação ao vivo (a cantar everybody), onde ainda era uma completa desconhecida e na qual poucos acreditavam, mas que nos mostra como tudo começou em 1982! pois é que a brincar a brincar, ela já anda nisto das cantigas hà mais de 27 anos, estando agora a curtir os cinquenta anos...



10 de setembro de 2009

waiting for the end?

so just tell me what you want to see?
tell me what you are waiting for? is it to possible or fair to be waiting for the end?

banda sonora da tarde

19 de agosto de 2009

we don't play guitars


as chicks on speed fizeram parte da banda sonora de muitas festas dos meus tempos de faculdade. este vídeo é delicioso, porque conta com a participação da peaches, assumindo o papel de old school do género, ela que até toca guitarra. ainda numa versão mais potente e agressiva, eis o link para uma actuação ao vivo das meninas e tudo porque as meninas don't play guitars!

We always thought that we were not a rock n roll band but it sure feels
like rock n roll over here tonight
we don't play guitars
we're standing on stage with our microphones, but we don't play guitars

got the sherman up here with us, no we don't play guitars
we don't play guitars
can you play guitar?
we don't play guitars

said can you play guitar?
we don't play guitars
we don't play guitars
we're standing on stage with a microphone but we don't play guitars
got the sherman up here with us, no we don't play guitars

we don't play guitars
we don't play guitars
said can you play guitar?
we can go shopping in the supermarket but we don't play guitars
we shop more than other people, we don't play guitars

can you play guitar?
can you play guitar?
were standing in tobi's studio but we don't play guitars
neither do kiki or melissa
no we don't play guitars

we like to use gaffa tape but we don't play guitars
give us your gaffa tape, we don't want your guitars
we don't play guitars
we don't play guitars
no we don't play guitars

(peaches): you may not play guitars but I do!
you know, maybe c.o.s don't play guitars but
p.e.a.c.h.e.s plays guitar
I play guitar, that's right
I play guitar
well you may not play guitar but I play guitar
and I love it!

we like using gaffa tape but we don't play guitars
give us your gaffa tape cos we don't play guitars
can you play guitar?
we don't play guitars
we don't play guitars
we don't play guitars
we don't play guitars

12 de agosto de 2009

oh remind me... remind me



enquanto fumava um cigarro lá fora onde está calor, veio-me esta música e este vídeo à cabeça. neste regresso após um belíssimo periodo de férias, esta é uma banda sonora mais do que ajustada à vidinha profissional insignificante, que tanto eu, como a maioria dos que me rodeiam vivem de segunda a sexta. trabalhos sedentários, repetitivos, à sombra de uma qualquer multinacional norte-americana, onde o nosso cubículo ferve com o calor das máquinas. neste mesmo momento tenho a mão esquerda a escaldar, por causa do maldito sobreaquecimento do meu portátil. apesar de ser agosto, os negócios até aparecem, o que ajuda a entidade negra dominante aqui da zona, a não apertar muito comigo.

quanto à música, lembra-me os tempos em que as preocupações eram menos do que agora e onde achava que jamais me veria preso a um trabalho destes... como as pessoas se enganam quando são jovens! royksopp, remind me é daqueles temas que ouvi até à exaustão, mas que estranhamente acabei por esquecer. ajustado sem dúvida ao estado actual da minha vida neste trabalho que tem dias menos miseráveis que outros (se tudo correr como o planeado, amanhã será menos miserável que hoje).

ainda da autoria dos mesmos, não posso deixar de sugerir mais outra música, que também acabou por se assumir a par deste remind me, como uma das referências musicais destes - poor leno.

conto em breve publicar aqui algumas das imagens de uma segunda visita a barcelona, que desta vez teve um sabor gourmet! mas sobre isso falarei e recordarei noutra altura...

remind me... remind me...

2 de agosto de 2009

dia 4 - paredes de coura

as forças dos festivaleiros já não eram muitas (até porque a chuvada da noite anterior inundou muitas tendas e molhou muitos pés), mas mesmo assim os suecos the hives conseguiram acabar paredes de coura 2009 em beleza. num concerto que atrasou o seu início em quase uma hora, vestidos de fatos de macaco brancos, com as gravatas e camisas que sempre os caracterizaram por baixo, tocaram todos os seus grandes sucessos. notava-se um certo cansaço na plateia, que apesar de tudo nunca esmoreceu e que coube a jarvis cocker começar a aquecer. quanto aos the hives, o vocalista pelle almqvist encarregou-se de espicaçar a plateia com os seus berros agudos num concerto que apesar de curto (sensivelmente uma hora e meia), só acabou após repetirem três vezes o tema return the favour, para que os festivaleiros pudessem acabar com a pouca energia que restava após quatro dias de festa. referência para a quantidade de voos do público em direcção ao placo, cuja a frequência me espantou! existe pessoal a bater muito mal!!
nesta noite não houve fotografias, pois esqueci-me da máquina no carro e como fui à boleia para o recinto... assim sendo, roubo aqui uma fotografia de um órgão de imprensa, para dar alguma cor a este post, pois agora quero é ir dormir!

_the hives | foto: blitz

... não posso deixar de referir ainda que neste dia, foi um prazer ver foge foge bandido do grande manuel cruz, tranquilamente deitado na relva, num fim de tarde encoberto, mas cheio de luz! a edição do próximo ano tem já data marcada: de 28 a 31 de julho.

31 de julho de 2009

dia 3 - nine inch peaches!

_nine inch nails

à terceira noite de concertos, muitos foram aqueles que rumaram a coura só para esta noite. peaches e os tão aguardados americanos nine inch nails. muitos eram os que envergavam orgulhosamente uma t-shirt da banda, tendo a enchente do recinto sido justificável pelos rumores que apontam para uma pausa prolongada da banda. o espectáculo em si, apresentou um sofisticado e elaborado jogo de luzes, que permitiram algumas fotos mais apresentáveis. por incrível que pareça, foi mais fácil chegar junto do palco em nine inch nails do que em franz ferdinand.


_peaches

quanto à nossa querida peaches, não deixou os seus créditos por mãos alheias. afinal, ela está já a celebrar 10 anos de carreira. nesta actuação não deixou de ser provocante e polémica, se bem que já não apresenta a irreverência dos anos iniciais. mesmo assim, à segunda música já se tinha despido e andava a mergulhar para cima do público! subiu a colunas, cuspiu, vestiu um robe e com uma toalha na cabeça provocou os outros elementos da banda, de tão excitada e com calor que estava com a sua actuação e cantou tudo aquilo que se esperava. quer dizer, quase tudo, faltaram os seus hits iniciais como set it off ou o imortal rockshow. nada que não estivesse à espera, pois tal como ela perguntou ao público, a maioria não a conhecia ou então nunca a tinha visto actuar. como resultdo da sondagem, acabou por tentar conquistar um novo público, ao passo que fiéis devotos como eu desesperaram e gritaram pelo rockshow. na sua toada provocatória, terminou o concerto com o fuck the pain away, com uma luz a piscar no pito e um grande cartaz pendurado a dizer "peaches", para que não restem dúvidas de quem era a vedeta ali naquela noite! acrescentou ainda mesmo no fim a grandiosa frase: boys and girls... you have been fucked in the ass by peaches! - delicioso!

o palco after hours assistiu depois a uma das que considero ser uma das revelações de coura este ano, o duo dinâmico françês kap bambino. frenéticos, imparáveis e barulhentos que incendiaram a plateia ao rubro! a excentricidade da vocalista mostra o importante que é ter maturidade em palco (os chew lips que o digam...). confesso que deste concerto nem me lembrei da máquina fotográfica, deixo aqui o vídeo da música que todos dançaram!

dia 2 - finalmente o relato

_franz ferdinand

este foi para mim o dia mais aguardado deste festival. afinal se houve nome que me levou a coura foram os franz ferdinand, que deram um concerto memorável a todos os presentes. com uma entrada de rompante (e novamente à hora certa) serviram de imediato a uma mão cheia de singles, que rapidamente incendiaram o público. quanto ao resto? bem, acho que não houve uma música tocada que não fosse single, ou então que não faça já parte do nosso dna musical.
avalanches de pessoas encosta abaixo, very-lights, tudo era válido para aproveitar ao máximo o concerto, que certamente irei recordar por muito tempo. acaba mesmo por entrar para o meu hall of fame de coura, comparável aos concertos de foofighters, queens of the stone age ou até mesmo o de nick cave de alguns anos atrás. quanto às fotos, confesso não ter conseguido grande coisa, até porque eu também não estava lá para tirar fotos diga-se!
a terminar o concerto, a banda brindou-nos com momentos de improviso num ritmo dançável por vezes quase psicadélico, o que prova que franz ferdinand ainda tem muito para nos dar.

_supergrass

antes de franz ferdinand, os supergrass e os the horrors, mostraram que faziam todo o sentido no alinhamento deste festival. sem dúvida, dois bons concertos. uma referência ainda para a treslocada e meia perdida vocalista dos chew lips, que arrancaram com os concertos no palco after hours nesta noite. o som electrónico e cativante da banda, esbarrou numa vocalista que parecia ser um pouco "verde" nestas coisas dos festivais. em certos momentos estava em claro sentido contrário aos restantes dois membros da banda, esquecendo-se do alinhamento e tentando agradar ao público a falar espanhol, como frases como "me gusta!"... isto em ambiente festival, provocou logo um coro de insultos à mais recente candidata a voz de filmes pornos. resumidamente? valeram os dois músicos dos sintetizadores que conseguiram manter o nível da coisa. apesar disto, acredito que iremos ouvir falar mais vezes desta banda, que se assumem como uma espécie de ting tings, mas mais próximos do electrónico. mas aqui fica uma amostra do que são capazes em estúdio.

30 de julho de 2009

dia 2 - paredes de coura

antes de começar a falar sobre o que nos espera neste segundo dia de festival, acho que devo concluir o que comecei a escrever ontem. assim sendo, foi com alguma naturalidade que patrick wolf brilhou, perante uma plateia de verdadeiros aficionados que cantaram quase todas as músicas. quanto ao artista, mostra o que sabe fazer em palco, com o domínio da guitarra, do piano, do violino e claro... dos saltos altos! Sem dúvida um bom concerto, que fez a tenda do palco secundário vibrar, ansiosa que está de "curtir" o festival. o seu mais recente hard times, levou quase todos à loucura, como já seria de esperar.

_patrick wolf

quase sem pausa após a actuação, eis que nos chegam os bons rapazes, dez minutos depois da hora marcada (este ano a organização parece que está a conseguir por as bandas em palco com um pontualidade britânica!). poderemos dizer que a estrela da noite foi um àlvaro costa um tanto ou quanto perdido, que nem dos pratos se aproximou, e que de vez em quando agarrava o microfone e gritava umas parvoíçes. típico "perdeste uma boa oportunidade para estar calado". ele suou, ele bebeu, ele fumou, ele dançou, mas música que é música não houve. essa ficou a cargo de um miguel quintão, verdadeiramente sem mácula, que desfolhou todas aquelas sonoridades que nos habituámos a ouvir no programa da antena 3. não houve uma batida fora do sítio, não falhou uma passagem! completamente genial! a festa durou pois pela noite dentro, onde só os resistentes dançavam.

_bons rapazes

e o que nos reserva este segundo dia então? o destaque vai como não poderia deixar de ser para os muito aguardados franz ferdinand, com o seu novo álbum tonight. todos esperam que os meninos apresentem aquele que deverá ser o melhor concerto de festival, e quem sou para colocar isso em causa! Mas o dia de hoje conta com uma novidade de última hora os temper trap, que aparecem no alinhamento deste dia assim como que caídos do céu. Depois segue-se the pains of being pure, the horrors e os simpáticos supergrass, que prometem aquecer a plateia para franz ferdinand.

29 de julho de 2009

dia 1 - paredes de coura

acabado de chegar ao festival de paredes de coura, para a edição deste ano, já instalado confortavelmente em cristelo, onde o drama é apenas a banda larga ser muito estreita. coisas diferentes? não existem cães, mas a título de compensação, tenho uma gata que não me largou enquanto não lhe dei de comer. o campo tem destas coisas boas... as moscas essas, ainda se desviam das fitas e fazem tangentes nos nossos ouvidos! putas portanto.

o alinhamento do festival paredes de coura para 2009 faz-nos lembrar que já vimos cartazes bem mais sonantes do que este mas, e sempre que isto acontece, as coisas acabam por ser bem mais interessantes do que se podia esperar. a ver vamos...
no entanto, as coisas também parecem não ajudar, como seja o tempo a ameaçar chuva ou as actuações do primeiro dia que passaram todas para o palco secundário... o nome da noite deverá ser patrick wolf, assim de repente ainda só gosto deste hard times, mas a personagem é provavelmente demasiado expansiva, vamos ver... o môço toca antes dos bons rapazes da antena 3, que aqui aparecem este ano para nos dar música (como fâ incondicional de álvaro costa e miguel quintão, aguardo curioso). sean riley and the slowriders e the strange boys, abrem as hostes da edição deste ano a partir das 22h.


(a continuar mais tarde...)

27 de julho de 2009

sem volante e sem carta

não importa a falta destas duas materialidades, desde que exista um banco de jardim, um ipod e alguém que partilhe a falta da matéria acima mencionada. partidas de telefone, garrafas, telefonemas e volantes perdidos. como consequência destes acasos, se existem momentos em que a música enche o vazio da materialidade, este foi um deles. larry tee apresenta hanayo - joe le taxi.

14 de julho de 2009

you will suck the life out of me

para curar a depressão e para celebrar a alegria.
com as energias negativas e potenciando as energias positivas.
muse, sempre a subir, perfeito para descer e depois renascer.
quase terapêutico. decididamente adictivo.
obrigatório sempre que a alma o permita...
genial como apenas três fulanos conseguem fazer isto...
para cantar até ficar sem voz, para saltar até me doerem as rótulas, para renascer com esta luz...




> vídeoclip

I think I'm drowning
asphyxiated
I wanna break this spell
that you've created

you're something beautiful
a contradiction
I wanna play the game
I want the friction

you will be the death of me
you will be the death of me

bury it
I won't let you bury it
I won't let you smother it
I won't let you murder it

our time is running out
our time is running out
you can't push it underground
you can't stop it screaming out

I wanted freedom
bound and restricted
I tried to give you up
but I'm addicted

now that you know I'm trapped sense of elation
you'd never dream of
breaking this fixation

you will squeeze the life out of me

bury it
I won't let you bury it
I won't let you smother it
I won't let you murder it

our time is running out
our time is running out
you can't push it underground
you can't stop it screaming out
how did it come to this?

you will suck the life out of me

bury it
I won't let you bury it
I won't let you smother it
I won't let you murder it

our time is running out
our time is running out
you can't push it underground
you can't stop it screaming out
How did it come to this?

5 de julho de 2009

wtcc porto

foi este mote que me tirou da cama, depois de poucas horas de sono e com o corpo massacrado de uma noite " como se não houvesse amanha". domingo, manhã cinzenta e chuvosa. opção: manga curta, porque não pode chover nestes dias. local: porto, wtcc - fia world touring car championship, para os desentendidos, são corridas de carros, com pneus a chiar e de preferência com muita chapa amolgada. acontecimento do dia? encontrar os meus compinchas de corridas uma vez mais, foi um prazer meninos!



com claras semelhanças com a realeza monegasca, fizémos o warm-up, com algumas "flautas" de murganheira. como conclusão: as corridas da red bull air race, são mais glamorosas que estas e até têm mojitos! vantagens portanto...






a nossa reacção claramente espontânea ao acidente, de tão entediados que estávamos!






30 de junho de 2009

walking on thin ice

encontrei esta verdadeira relíquia na colectânea "disco not disco", editada em 2000 que já ouço regularmente desde meados de 2001. sempre pensei que fosse um remix, mas pelos vistos é mesmo o original, cantado por yoko ono, com john lennon encarregue da guitarra e das teclas. a artista que agora anuncia o seu regresso (nem me lembrava que ela cantava para ser sincero...), mostrou aqui como se lançaram algumas das bases para a música dos anos 80. ela que foi uma das figuras centrais da música industrial e parece nunca ter medo de ser rotulada como experimental, algo que certamente advém da sua outra vertente, a de artista plástica.

quanto à música que ela faz agora, tenho de confessar que acho piada ao seu aparente minimalismo pseudo-nipónico, associado aos beats da electrónica actual que se vive e criam em new york. nada de novo, em certos momentos remete-me para diversas sonoridades de outros dj´s e grupos, mas que não deixa de ser curioso ver a quantidade de influências que se conseguem discernir no seu trabalho, não invalidando em mim uma ligeira sensação de dejá vú.
De qualquer forma, walking on thin ice, é definitivamente para ser ouvido com o volume bem alto e deve ser consumido em doses generosas... digo eu!



Walking on thin ice,
Im paying the price
For throwing the dice in the air.
Why must we learn it the hard way
And play the game of life with your heart?

I gave you my knife,
You gave me my life
Like a gush of wind in my hair.
Why do we forget whats been said
And play the game of life with our hearts?

I may cry some day,
But the tears will dry whichever way.
And when our hearts return to ashes,
Itll be just a story,
Itll be just a story.

Ai-ai-ai-ai-ai-ai-ai-ai...

Ooh-ahooh...

I knew a girl who tried to walk across the lake,
course it was winter when all this was ice.
That's a hell of a thing to do, you know.
They say the lake is as big as the ocean.
I wonder if she knew about it?

ps.: para quem nasceu em 1933, continua aí para as curvas pelos vistos