30 de março de 2010

this is the end my friends...

and the begining of something better (I hope...)

Recentemente tomámos uma decisão, o projecto Deos Design não reúne mais as condições fundamentais para poder continuar. A razão da sua existência acabou por se esbater com o passar dos meses, acredito que ambos desejámos e lutámos muito por este objectivo de vida, mas este tornou-se cada vez mais ausente no nosso quotidiano.

Ao longo dos últimos oito anos, apesar de alguns estarem connosco nesta aventura à menos tempo, fomos construindo a materializando este sonho, que em determinado momento da minha vida acreditei ser a altura indicada para o fazer. O tempo provou-me que estava errado, que não foi o momento acertado e que com esse facto terei de viver o resto da minha vida.
Quaisquer palavras que acrescente a este penoso exercício, serão sempre poucas para expressar a minha mais sincera gratidão pela vossa ajuda. Escrevo porque me sinto na obrigação de vos agradecer, por terem comigo acreditado, trabalhado (sem que nunca lhes pudesse retribuir por isso), sem hesitar, nas situações e condições mais imprevistas. A vossa ajuda foi fundamental para tudo o que conseguimos alcançar.

Lamento não ter condições para vos continuar entusiasmar com a Deos Design, uma vez que colocámos um ponto final no nosso processo criativo. Entendo como vos disse, agradecer a todos aqueles que nos apoiaram ao longo dos últimos anos.

Obrigado por tudo…

Um abraço,

4 comentários:

Paulo Sá disse...

É com muita pena que vejo esta noticia, pois no fundo também tinha esperança no sucesso da ideia que tiveram. Infelizmente nem tudo corre bem. Tomar decisões, por vezes mesmo que difíceis, é a força motriz da vida.

Força pessoal e boa sorte para o futuro.

Grande Abraço...

wakamusha disse...

:(

(...)

A efervescência da mente. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A efervescência da mente. disse...

"(...) Sócrates:
- Por conseguinte, em relação ao mesmo instrumento, o fabricante terá uma crença exacta quanto à sua excelência ou inferioridade, por estar em contacto com quem sabe e ser obrigado a escutá-lo; ao passo que aquele que o utiliza possui a ciência.
Gláucon:
- Exactamente. (...)"

Platão